CLIPPING DA ABRAFRIGO Nº 1529 DE 14 DE JULHO DE 2021

clipping

Ano 7 | nº 1529 | 14 de julho de 2021

 

NOTÍCIAS

Escalas de abate confortáveis nas indústrias frigoríficas paulistas

A cotação do boi gordo em São Paulo ficou estável na comparação dia a dia

A melhora na oferta mantém as escalas de abate confortáveis, atendendo, em média, sete dias. Algumas unidades frigoríficas optaram por ficar fora das compras na manhã de terça-feira (13/7). Dessa forma, boi, vaca e novilha gordos foram negociados em R$315,00/@, R$294,00/@ e R$310,00/@, respectivamente, preços brutos e a prazo.

SCOT CONSULTORIA 

Mercado de reposição: mercado segue mais frio

Segundo levantamento da Scot Consultoria, na média de todas as regiões e categorias monitoradas, entre machos e fêmeas anelorados, as cotações recuaram 0,5% na semana passada, frente à anterior. Para o curto prazo, com as pastagens perdendo capacidade de suporte, quedas nas cotações não estão descartadas. 

SCOT CONSULTORIA

Boi: oferta restrita segura baixas

De acordo com a consultoria Safras & Mercado, a oferta restrita está sendo capaz de contrabalancear as escalas de abate confortáveis dos frigoríficos e, com isso, os preços têm menos espaço para novas baixas 

Em São Paulo, a arroba permaneceu em R$ 317, na modalidade a prazo. Ainda assim, segundo o analista Fernando Iglesias, os frigoríficos seguem tentando negociações abaixo da referência. Na bolsa brasileira, a B3, os contratos futuros do boi gordo tiveram queda em toda a curva e seguem sem força para retomar as máximas do ano. O ajuste do vencimento para julho passou de R$ 317 para R$ 316,95, do outubro foi de R$ 327,50 para R$ 324,60 e do novembro foi de R$ 330,75 para R$ 327,85 por arroba.

CANAL RURAL

Ruralistas discutem com Guedes ‘solução’ para passivo do Funrural

Integrantes da bancada reuniram-se com o ministro para discutir saída para o impasse, que se arrasta desde 2017

O deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) afirmou que o Ministro da Economia, Paulo Guedes, vai encontrar uma solução para o passivo bilionário do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). Ele e membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) reuniram-se no início da noite da terça-feira com o Ministro para buscar uma saída para o tema, que se arrasta desde 2017. “O Ministro disse claramente e reafirmou o compromisso da solução do problema do passivo do Funrural”, disse em vídeo. Segundo Goergen, várias alternativas foram debatidas. “Os técnicos passarão a avaliar e nos próximos dias teremos a informação, em um curtíssimo espaço de tempo. Esse problema terá que ser resolvido, e será”, destacou. “Me parece que agora teremos uma posição, se não for a solução ideal, será uma solução. E conseguiremos tirar da nossa pauta esse assunto do indevido e injusto passivo do Funrural”. Fontes que acompanharam a reunião, no entanto, afirmaram ao que o Ministro não falou sobre medidas para a extinção completa da dívida, como quer parte do setor. Uma das alternativas em avaliação é a criação de uma nova opção de parcelamento do débito restante – que está menor devido ao prazo de decadência de cinco anos. Já se passaram quatro anos desde a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou o retorno da cobrança do Funrural, em 2017. A opção em estudo é ir além dos 60 meses fornecidos pelo Programa de Retomada Fiscal da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), que renegocia débitos previdenciários (o Funrural é a contribuição previdenciária sobre a receita bruta da comercialização rural) inscritos na dívida ativa da União com possibilidade de descontos e entrada facilitada, que tem prazo de adesão até 30 de setembro de 2021. “O ministro não comentou a extinção do passivo, mas demonstrou boa vontade em resolver, em achar a forma”, afirmou uma fonte.

VALOR ECONÔMICO

Mato Grosso: aumento na estimativa do VBP da pecuária

Expectativa do Imea é de que as receitas da pecuária somem R$ 30,37 bilhões ao longo de 2021, ampliando em 25,77% o desempenho do ano passado

A terceira atualização do Valor Bruto de Produção (VBP) indica que a atividade pecuária alcançará R$ 30,37 bilhões neste ano em Mato Grosso. O valor corresponde a um aumento de 25,77% em relação aos números de 2020 e de 2,18% em relação à projeção anterior. Os dados são calculados pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), com periodicidade trimestral, e indicam que a alta na pecuária coincide com o comportamento verificado também nos números totais do VBP em Mato Grosso. Embora a ampliação na estimativa tenha sido percebida em todas as cadeias produtivas da pecuária, o aumento mais expressivo ocorreu na bovinocultura. As receitas geradas pela suinocultura e pela avicultura em Mato Grosso têm estimativa de ampliação de 12,31% e 7,71%, respectivamente, na comparação anual. “Os volumes de produção na pecuária caíram 3,5% neste ano até agora, pois estamos vivendo um momento sazonal de restrição no abate de bovinos devido ao estágio atual do ciclo pecuário. Porém, houve uma valorização de 37,7% no preço da arroba do boi gordo, motivada pela demanda firme por carne para exportação e pela baixa oferta de animais”, informa o Diretor de Operações do Imac, Bruno de Jesus Andrade. Em Mato Grosso, a agricultura compõe 78,2% do VBP total, e a pecuária, 21,8%.

IMEA 

Preços da arroba do boi apresentam estabilidade em goiás, com viés de baixa

Os preços da arroba bovina começam a apresentar uma estabilidade com viés de baixa no estado de Goiás, já que algumas indústrias conseguiram preencher as escalas de abate nas semanas anteriores. Diante desse cenário, alguns compradores estão se mantendo fora do mercado à espera de valores atrativos para a aquisição de boiadas

De acordo com os dados do Instituto para o Fortalecimento do Agronegócio em Goiás (IFAG), a média de preços para o boi gordo e a vaca gorda estão precificados a R$298,20/@ e R$288,70/@ e apresentaram recuo de 1,62% e 1,32%, respectivamente.  “Apesar da pequena retração dos preços em Goiás, de modo geral a praça segue a tendência de São Paulo onde o cenário é de estabilidade com sinais de baixa com o início da segunda quinzena do mês em que a demanda interna tende a enfraquecer”, apontou o informativo. Segundo o levantamento realizado pela a Scot Consultoria, as referências para o boi gordo na região de Goiânia estão ao redor de R$ 297,50/@, à vista e livre de impostos. Já na região Sul do estado, o animal está cotado a R$ 300,50/@, à vista e livre de impostos. Negócios na região de Caiapônia/GO, em que o boi gordo com destino ao mercado interno foi comercializado a R$ 300,00/@, a prazo com 30 dias para pagar e com data para o abate em 23 de julho. Já na região de Araguapaz/Go, o animal com destino a exportação foi negociado a R$300,00/@, a prazo com 30 dias para pagar e com data para o abate em 28 de julho. No mercado de reposição as categorias seguem as cotações do boi gordo apresentando também desvalorizações. O bezerro nelore macho de 0 a 12 meses apresentou queda de 1,00% no comparativo mensal, em que passou de R$ 2.702,14 para R$ 2,675,00 por cabeça. A cotação do mestiço macho de 0 a 12 meses está precificada a R$ 2.012,50 por cabeça e teve um recuo de 1,83%, sendo que na semana anterior estava cotado a R$ 2.050,00 por cabeça.

Ifag

Desempenho exportador das carnes no início de julho

A carne bovina sinaliza pequena redução (1,6% a menos)

Os resultados divulgados pela SECEX/ME relativos a julho (sete de um total de 22 dias úteis no mês) apontam, pelo volume médio embarcado diariamente, expansão de exportação das três carnes. O melhor desempenho – avanço excepcional na comparação com julho de 2020 – é o da carne de frango, cuja média diária nesta abertura de mês se encontra quase um quarto (+24%) acima da registrada um ano atrás. Vem na sequência a carne suína, com aumento de 13,20% e, por fim, a carne bovina, com incremento próximo de 3%. As três também obtêm sensível melhora de preço – as carnes bovina e de frango de mais de 30% e a suína de 18%. E isto combinado com o aumento de volume redunda em uma receita cambial – ainda pela média diária – 63%, 35% e quase 34% maior para, respectivamente, a carne de frango, a bovina e a suína. Julho de 2021 tem um dia útil a menos que julho de 2020. Assim, a projeção para a totalidade do mês do volume e da receita sofrem ligeira redução. No volume, as perspectivas são animadoras para a carne de frango (mais de 18% de aumento) e a carne suína (+8%), apenas a carne bovina sinalizando pequena redução (1,6% a menos). Na receita, os primeiros indícios são de um aumento de mais de 50% para a carne de frango, de perto de 30% para a carne bovina e de quase 28% para a carne suína.

AGROLINK 

Boi gordo: oferta restrita limita queda nos valores da arroba

Frigoríficos ainda se deparam com uma posição confortável em suas escalas de abate e seguem tentando realizar compras abaixo da referência média

O mercado físico de boi gordo registrou preços estáveis na terça-feira, 13. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, “a expectativa de uma reposição mais lenta entre atacado e varejo durante a segunda quinzena do mês reforça esse tipo de estratégia. Mas o volume de ofertas permanece restrito, o que limita movimentos mais agressivos de queda no curto prazo”, disse. Enquanto isso, permanecem as incertezas acerca da situação chinesa. O relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) sinalizou para um processo mais lento de recomposição do plantel de suínos, sem alterar o rebanho inicial de matrizes. “O governo chinês retrata uma situação bastante diferente, com um amplo processo de recomposição. As informações acerca da evolução da peste suína africana seguem conflitantes, com o governo chinês ainda indicando para um maior controle sobre a doença, enquanto agências de notícias sinalizam para um rápido avanço da doença, que coloca em xeque a recomposição do plantel”, assinalou Iglesias. Em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 317, na modalidade à prazo, ante R$ 317 na segunda. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 305, estável. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 309, ante R$ 311. Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 307 – R$ 308, contra R$ 309. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 311 a arroba, contra R$ 314. No mercado atacadista, os preços da carne bovina seguem acomodados. O corte traseiro teve preço de R$ 21,05 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 17,30 o quilo e a ponta de agulha permaneceu em R$ 17,40 o quilo.

AGÊNCIA SAFRAS

ECONOMIA

Dólar fecha em alta de 0,17%, a R$ 5,1824 na venda

O dólar subiu levemente contra o real na terça-feira após a divulgação de dados de inflação norte-americanos mais fortes do que o esperado, com as perspectivas de juros domésticos mais altos e redução na tributação das empresas permanecendo no radar dos operadores

O dólar spot subiu 0,17%, a 5,1824 reais na venda. Na B3, o principal contrato de dólar futuro tinha alta de 0,11%, a 5,189 reais. A alta veio em linha com o movimento do dólar no exterior, com a divisa norte-americana subindo em relação a pares latino-americanos do real, como peso mexicano, peso chileno e sol peruano. Números do Departamento do Trabalho dos EUA mostraram na terça-feira que os preços ao consumidor subiram à maior taxa em 13 anos em junho em meio a restrições de oferta e uma recuperação contínua nos custos de serviços relacionados a viagens. “Esse era o grande indicador do dia e veio muito acima do esperado; isso, a princípio, assusta um pouco o investidor”, disse à Reuters Rafael Claudino, sócio fundador da HCI Invest, apontando para apostas de que o Federal Reserve reduzirá seus estímulos e elevará os juros mais cedo do esperado. Em sua última reunião de política monetária, o BC promoveu a terceira alta consecutiva de 0,75 ponto percentual da taxa Selic, a 4,25%, e indicou que vai anunciar aumento da mesma magnitude, pelo menos, em sua próxima reunião.

REUTERS

Ibovespa fecha em alta após parecer com mudanças na proposta de reforma do IR

O Ibovespa fechou em alta na terça-feira, recuperando o patamar dos 128 mil pontos, com agentes financeiros repercutindo positivamente mudanças na proposta de reforma do Imposto de Renda apresentadas pelo relator da matéria 

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,45%, a 128.167,74 pontos. O volume financeiro totalizou 24,2 bilhões de reais. O parecer do deputado Celso Sabino (PSDB-PA) manteve a taxação sobre dividendos em 20% e a eliminação do mecanismo de juros sobre capital próprio (JCP), mas excluiu a de tributação sobre rendimentos de fundos imobiliários (FIIs). Essa notícia dos FIIs, em especial, segundo avaliou o analista da Clear Corretora, Rafael Ribeiro, beneficia o setor de construção e shoppings, “uma vez que os fundos são usados como uma forma de financiamento”. O substitutivo também reduziu mais a alíquota do IR para empresas com lucro até 20 mil reais – a 5% em 2022 e 2,5% em 2023. Para as que registram lucro acima de 20 mil reais, a queda será de 25% para 12,5%. De acordo com o sócio da Manchester Investimentos Eduardo Cubas Pereira, as medidas propostas pelo governo federal no final do mês passado, no âmbito da segunda fase da reforma tributária, não agradaram agentes financeiros.

REUTERS

Exportações do agronegócio têm novo recorde em junho, passando de US$ 12 bilhões

O aumento dos preços internacionais dos produtos agropecuários exportados pelo Brasil foi a principal variável responsável por este valor recorde

As exportações do agronegócio em junho deste ano atingiram a cifra recorde para o mês, de US$ 12,11 bilhões, o que representa uma alta de 25% comparado aos US$ 9,69 bilhões embarcados em junho de 2020. O aumento dos preços internacionais dos produtos agropecuários exportados pelo Brasil (30,4%0 foi a principal variável responsável por este valor recorde. De acordo com a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, esse incremento nos preços, em virtude da recuperação econômica global houve queda de 4,1% no índice de quantum das exportações brasileiras. As importações do agronegócio tiveram aumento de 54,2%, chegando a US$ 1,28 bilhão. Desta forma, o saldo da balança comercial do agronegócio atingiu US$ 10,8 bilhões. Em virtude da elevação das exportações de produtos não-agrícolas em 105,3%, influenciados por exportações de minério de ferro e petróleo, a participação dos produtos do agronegócio nas exportações totais brasileiras alcançou 43,1%, mesmo com o recorde observado para os meses de junho. Em junho de 2020, a participação foi de 55,5%. O principal setor exportador do agronegócio brasileiro foi o complexo soja. Um pouco mais da metade do valor exportado pelo Brasil em produtos do agronegócio se deveu as vendas externas desse setor, que teve a soja em grão como principal produto exportado. As vendas externas de soja em grão alcançaram valor recorde de US$ 5,30 bilhões, mesmo com redução de 12,9% do volume exportado, 11,1 milhões de toneladas. As exportações de carnes foram de US$ 1,78 bilhões (+26,6%) em junho. O incremento do valor ocorreu em função da elevação da quantidade exportada (+9,4%) como ao aumento médio do preço de exportação (+15,7%). A principal carne exportada foi a carne bovina, com registros de US$ 834,24 milhões (+12,7%). Em relação à carne de frango, as exportações subiram 45,8% para atingirem US$ 636,26 milhões em junho de 2021. Já na carne suína houve registro recorde de exportações, com vendas externas de US$ 268,31 milhões (+36,4%). A quantidade exportada também foi recorde, com 107,2 mil toneladas (+12,9%).

MAPA

Setor de serviços do Brasil cresce 1,2% em maio

O volume do setor de serviços do Brasil cresceu 1,2 por cento em maio em relação a abril e teve alta de 23,0 por cento na comparação com o mesmo mês do ano anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na terça-feira.

REUTERS

INTERNACIONAL

Importação de carne de junho na China cai 17% com preços domésticos fracos

A China importou 743.000 toneladas de carne em junho, queda de 17% em relação ao mesmo mês do ano anterior, dados alfandegários mostraram na terça-feira (13), com os fracos preços domésticos de carne suína afetando a demanda por importações

As importações de carne em junho também caíram 5,8%, ante 789.000 toneladas em maio. As importações de carne no primeiro semestre do ano, no entanto, totalizaram 5,08 milhões de toneladas, mostraram os dados da Administração Geral das Alfândegas da China, acima das 4,75 milhões de toneladas do ano passado nos primeiros seis meses de 2020. Os preços domésticos da carne suína PORK-CN-TOT-D caíram pela metade desde o início deste ano, devido aos grandes volumes de importação e à medida que a produção aumentou devido aos esforços para reabastecer e expandir as fazendas depois que a peste suína africana dizimou os rebanhos. Os preços estavam em 21,94 yuans (US $ 3,39) por quilo na semana passada.

REUTERS

Importações de carne suína pela China seguirão em alta neste ano

O país asiático deve importar 5 milhões de toneladas de carne suína; a produção na China também será maior, com acréscimo de 20%

Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) atualizou os dados do setor de carnes em nível global. Segundo a Safras & Mercado, o foco do relatório são os números da suinocultura chinesa. Segundo a consultoria, o primeiro ponto que chama a atenção é que o USDA não divulgou projeções para a carne suína para 2022. Ou seja, segue a incógnita em relação ao rebanho de matrizes da China. As projeções para 2022 ficaram para o relatório de 12 de outubro. Em relação ao relatório de abril, o USDA aumentou o número de demanda acima do incremento de produção. Assim, é esperado um alto volume de importações por parte da China este ano. Para a produção chinesa de carne suína, o USDA estima agora 43,75 milhões de toneladas, o que representa avanço de 20,39% em relação às 36,34 milhões de toneladas de 2020. Para as importações de carne suína pela China, o USDA indicou 5 milhões de toneladas (acima das 4,85 milhões de toneladas indicadas em abril). O rebanho inicial de matrizes suínas em 2021 na China foi mantido em 38,5 milhões de cabeças. A previsão para o início de 2022 deve ser divulgado em outubro. O rebanho final de 2021 foi estimado em 410 milhões de cabeças, abaixo das 420 milhões indicadas em abril.  Mostrando que o processo de recomposição seguirá em curso no ano que vem. No final de 2017, período anterior a peste suína africana o rebanho era de 441,59 milhões de cabeças. Para os abates, a previsão para 2021 ficou em 550 milhões de cabeças, acima das 520 milhões de cabeças indicadas no relatório de abril. O avanço dos abates pode ser resultado da maior participação dos granjeiros no mercado, por conta do alto custo, prejuízos e temores com a peste suína africana (PSA). Como resultado, os preços da cadeia suinícola desabaram na China podendo resultar em menor ímpeto importador pela China no curto prazo.

AGÊNCIA SAFRAS/USDA

ABRAFRIGO

imprensaabrafrigo@abrafrigo.com.br

POWERED BY EDITORA ECOCIDADE LTDA 

041 3289 7122

 

abrafrigo

Leave Comment