CLIPPING DA ABRAFRIGO Nº 1097 DE 10 DE OUTUBRO DE 2019

abra

Ano 5 | nº 1097| 10 de outubro de 2019

 

NOTÍCIAS

Viés de alta para o boi gordo

O mercado do boi gordo está firme

Na última quarta-feira (9/10) não foi registrada queda no preço da arroba do boi gordo em nenhuma região, ao passo que os preços subiram em 14 praças pecuárias pesquisadas pela Scot Consultoria. Em São Paulo, a referência registrou ajuste positivo e ficou em R$161,00/@, à vista, livre de Funrural. Contudo, foram verificadas ofertas de compra acima deste patamar, o que reforça o cenário de mercado comprador.

SCOT CONSULTORIA

Recuos nas exportações brasileiras de couro

A demanda pelo produto final está baixa, tanto no mercado externo quanto interno

Segundo a Secretaria do Comércio Exterior (Secex), em setembro o Brasil exportou 36,2 mil toneladas de couros. Na comparação com o mês anterior houve queda de 2,8% e, frente ao mesmo período de 2018, o volume embarcado diminuiu 12,1%. Em setembro de 2019, o faturamento com o embarque de couro foi de 80,7 milhões de dólares, quantidade 6,4% menor do que no mês anterior e 28% menos do que em setembro de 2018. A demanda pelo produto final está baixa, tanto no mercado externo quanto interno, o que explica o atual cenário.

SCOT CONSULTORIA

Com arroba firme, atenção se volta para oferta de boiada do 2º giro de confinamento

Frigoríficos têm dificuldade em encontrar animais terminados, situação que ajuda a manter tendência altista da arroba

As cotações do boi gordo seguem fortalecidas no mercado físico, com a baixa disponibilidade de animais prontos ainda como o principal responsável pelo movimento altista, informa balanço semanal da Agrifatto. Nesta semana, o predomínio das negociações em São Paulo ficou entre R$ 160/@ e R$ 163/@ para o animal comum, com valores mais altos sendo acompanhados de prazo de pagamento relativamente mais longos, em torno de sete dias. “Destaca-se que as programações de abate mostraram leve avanço no fechamento desta semana, especialmente em São Paulo e em Goiás, acendendo um sinal sobre a chegada de maior fluxo de animais do segundo giro de confinamento”, informa a consultoria. A Agrifatto sugere atenção maior para as escalas de abate dos frigoríficos, especialmente em Goiás, Mato Grosso e São Paulo, onde a oferta de animais confinados pode começar a se ampliar no curto prazo. Por outro lado, continua a consultoria, as exportações devem avançar nas próximas semanas, o que pode ajudar a regular o mercado e a sustentar as cotações. “A disputa por animais terminados deve continuar no Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e nos Estados ao Norte do País, regiões com menor disponibilidade de animais prontos – outro fator positivo para o valor da arroba”, acrescenta a Agrifatto.

PORTAL DBO

Sebo bovino: mercado firmando

Segundo levantamento da Scot Consultoria, no Brasil Central, o sebo está custando R$2,25/kg, livre de imposto

No Rio Grande do Sul, a gordura animal está cotada, em média, em R$2,35/kg, na mesma condição. Gradativamente, a demanda pelo produto está crescendo, com isso, têm sido mais comuns negócios efetivados acima da referência. Para o curto prazo, a expectativa é de que a demanda em alta dê ainda mais força para o mercado. Valorizações não estão descartadas.

SCOT CONSULTORIA

ECONOMIA

Dólar encerra em alta contra o real após país registrar deflação em setembro

O dólar encerrou em alta contra o real na quarta-feira, se descolando de seus pares no exterior, em meio a apostas de mais cortes na taxa básica de juros, após dados mostrarem deflação ao consumidor brasileiro em setembro pela primeira vez em 10 meses

O dólar à vista subiu 0,29% nesta quarta, a 4,1037 reais na venda. No início do pregão, a moeda norte-americana chegou a tocar 4,0621 reais na mínima intradia, antes de passar a subir. Na B3, o dólar futuro tinha valorização de 0,22%, a 4,1100 reais. O Brasil registrou deflação em setembro pela primeira vez em 10 meses, no resultado mais fraco para o IPCA no mês em 21 anos e indo abaixo de 3% no acumulado em 12 meses. O dado reforçou a aposta de mais cortes na Selic e impulsionou o dólar, uma vez que uma nova redução da taxa básica de juros pode piorar a relação risco/retorno de aplicações na renda fixa doméstica, potencialmente limitando a oferta de dólar no país. Segundo analistas da Correparti Corretora, “em função deste sentimento, investidores e tesourarias de bancos partiram para um movimento de recomposição de posições em dólar, o que levou a moeda americana a transitar novamente acima da casa dos R$4,10”.

REUTERS

Ibovespa retoma 101 mil pontos impulsionado por expectativas em negociações EUA-China

Após duas quedas, o Ibovespa retomou o viés positivo na quarta-feira, diante da melhora da perspectiva para negociações entre EUA e China

O Ibovespa subiu 1,27%, a 101.248,78 pontos. O volume financeiro da sessão somou 12,65 bilhões de reais. Enquanto as bolsas de Brasil e Estados Unidos fechavam, porém, novas notícias voltavam a dar um tom pessimista para o andamento das conversas sino-americanas. Surpresa com a decisão do governo dos EUA de incluir companhias chinesas em lista de restrições de comércio, Pequim reduziu expectativas em relação a progresso significativo nas negociações esta semana. A sessão também foi marcada pela divulgação da ata da última reunião do Fomc, que mostrou que a maioria das autoridades do Federal Reserve defendeu a necessidade de cortar os juros em setembro, mas estão cada vez mais divididas sobre a trajetória futura da política monetária. No plano doméstico, repercutiu positivamente a aprovação pelos ministros do Tribunal de Contas da União das regras do leilão de áreas petrolíferas do excedente da região conhecida como cessão onerosa, previsto para 6 de novembro.

REUTERS

EMPRESAS

BRF diz que fábrica em Abu Dhabi passa por auditoria

A BRF disse na quarta-feira que a fábrica da empresa em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, passa por auditoria para atestar o valor agregado na produção local, segundo as regras do Conselho de Cooperação do Golfo

A nota da companhia segue reportagem publicada pelo Valor Econômico de que a Arábia Saudita restringiu drasticamente as compras de alimentos produzidos naquela fábrica.  “A empresa tem estoque suficiente na região e direciona sua produção a outros mercados do Golfo até que o fluxo comercial seja totalmente restabelecido”, afirmou a BRF, repetindo comentários já publicado pelo Valor. Conforme a reportagem do Valor, citando uma fonte, oficialmente, os alimentos industrializados à base de frango feitos na unidade foram barrados depois de uma auditoria do governo. A Arábia Saudita tem essa prerrogativa, segundo o Valor, porque a fábrica, inaugurada em 2014, foi construída com incentivos fiscais do CCG, do qual também fazem parte os Emirados Árabes Unidos, Barein, Omã, Catar e Kuwait.

REUTERS

Pedido de senadores americanos para derrubaR ações da JBS

O pedido feito pelos senadores americanos Marco Rubio e Robert Menendez para que o Secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, revise aquisições feitas pela JBS nos EUA derrubou as ações da companhia na quarta-feira

Na B3, as ações da JBS registraram a maior baixa do Ibovespa. Os papéis caíram 3,9%, fechando o pregão de quarta-feira a R$ 29,45 na B3. O Ibovespa subiu 1,27%. No documento encaminhado ao Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, os senadores manifestaram preocupação com a permissão para a compra de companhias americanas por “empresas estrangeiras envolvidas em atos ilícitos”. Os senadores lembraram a delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, destacando propinas que teriam sido pagas a funcionários no Brasil para obter recursos para adquirir companhias nos Estados Unidos. Rubio e Menendez também mencionaram as relações da JBS com “parceiros duvidosos” na Venezuela, assim como a proximidade com Diosdado Cabello, ex-presidente da Assembleia Nacional da Venezuela. No passado, a JBS foi uma grande fornecedora de alimentos para os venezuelanos. Em resposta às críticas dos senadores americanos, a JBS argumentou que suas atividades nos Estados Unidos proporcionaram crescimento econômico em importantes comunidades agrícolas do país. Atualmente, o mercado americano é o mais importante para a JBS. A empresa é uma das três maiores produtoras de carnes bovina, suína e de frango do país. A companhia tem planos de listar as ações de parte de suas operações na bolsa de Nova York.

VALOR ECONÔMICO

INTERNACIONAL

Turquia e Arábia Saudita permitirão carne paraguaia antes de 2020

O Presidente do Serviço Nacional de Qualidade e Saúde Animal (Senacsa), José Carlos Martín, confirmou que “antes do final do ano, será alcançada a autorização da Arábia Saudita e da Turquia” para a colocação de carne bovina

“Nos primeiros seis meses do ano 2020, uma missão dos Estados Unidos realizará uma auditoria nas instalações frigoríficas”, disse ele. O Paraguai está atualmente recebendo uma auditoria sanitária da União Europeia, que consiste em três partes, e a primeira etapa foi superada com “muito sucesso”, disse Martin e acrescentou: “Também estamos trabalhando em conjunto com o Japão para entrar no mercado, que é um dos mais exigentes do mundo, mas tudo exige muita paciência.” Com relação à abertura da China, uma reivindicação de longa data de produtores e industriais, o Presidente da Senacsa disse que, a curto prazo, “é algo improvável”, dado que “a China nos condiciona a romper relações com Taiwan , é claro que eles não são problemas de saúde, pelo contrário, atendemos aos requisitos para entrar; mas por razões políticas é impossível ”.

El País Digital

Maiores informações:

ABRAFRIGO

imprensaabrafrigo@abrafrigo.com.br

Powered by Editora Ecocidade LTDA

041 3088 8124

https://www.facebook.com/abrafrigo/

 

abrafrigo

Leave Comment